Multidão

é um projecto que se tem vindo a desenvolver desde 2006, sem data de término. Pretende transformar a mulher em bibelô, num confronto entre belo/feio e Romântico/Agressivo. Tenta, de certa forma, relacionar o poder destruidor e construtivista do objecto comum – o Homem, com a sua condição efémera e precária. Sobrevaloriza-se o discurso das situações de poder, atribuído ao homem, ridicularizando e subvertendo o mesmo. A presença de elementos que, à priori, se identificam com ele, são abafados por outros: rebuscados, irónicos, desconcertantes, provocatórios, voluptuosos, românticos inerentes ou associados à mulher. Apelando à decadência da masculinidade, apontam a hipocrisia da imagem machista. Imagens canonizadas, objectos, fetiches, excitação, paixão, morte, ódio, divertimento, desejo e neste a tendência para a queda num lugar comum - centrípeta satisfação. Esventrar e exibir o avesso das rotinas, segredos e vícios banais...